Artrose
Osteoartrite (Artrose)

O QUE É?

A osteoartrite, anteriormente conhecida como artrose, é a doença articular crônica mais comum, sendo uma causa comum de incapacitação por dor e/ou destruição articular. Embora seja uma doença ligada ao envelhecimento, ela não é um processo puramente degenerativo: existem fenômenos inflamatórios, mecânicos e genéticos associados, afetando a cartilagem articular, o osso subcondral, ligamentos, meniscos e músculos.

No Brasil, sua prevalência é de 16%, porém, muitos pacientes são assintomáticos, não fazendo parte dessa estimativa. Ela é ainda responsável por 30 a 40% das consultas nos ambulatórios de reumatologia.

SINTOMAS

Os principais sintomas são a dor espontânea, rigidez pós-repouso (não superior a 30 minutos), rigidez e dor protocinética (ao caminhar), parestesias, melhora com o repouso.

Os sinais mais prevalentes são: dor e sensibilidade à mobilização, à palpação ou às manobras; crepitação palpável e/ou audível; espasmo e atrofia da musculatura articular satélite; limitação de amplitude articular; mau alinhamento articular e defeitos posturais (causais ou consequentes); sinais discretos de inflamação articular (calor, rubor, dor); derrame articular, comumente relacionado a trauma ou ao uso excessivo da articulação.

OSTEOARTRITE DE JOELHO

A AO de joelhos, também chamada gonartrose, é a localização periférica mais comum, predomina entre 50 e 60 anos e é mais frequente no sexo feminino. Relação com obesidade e com deformidades em varo e valgo. Os sintomas variam com a gravidade da lesão: no início, a dor aparece quando a articulação é usada mais intensamente; à medida que o processo se agrava, ela surge após pequenos esforços ou até mesmo em repouso. É comum o paciente queixar-se de dor ao levantar de uma cadeira.

OSTEOARTRITE DE QUADRIL

Também conhecida como coxartrose, até os 50 anos de idade é mais comum no sexo masculino. Pode ser consequência do impacto fêmoroacetabular e está associado com atividade esportivas. Os sintomas surgem de maneira insidiosa, e a dor pode ser precedida por fatigabilidade do membro inferior e dificuldade na marcha, com passos menos amplos. A dor ao caminhar torna-se, gradativamente, a principal queixa. Pode ser aliviada ao repouso, mas retorna ao realizar atividade física. O paciente geralmente tem dificuldades para subir e descer escadas ou para caminhar em superfícies irregulares. Não é incomum caminhar inclinando o tronco para o lado afetado, em virtude da incapacidade do músculo glúteo médio em sustentar a pelve (marcha em Trendelenburg). Pode haver dificuldade de calçar os sapatos ou cruzar as pernas.

OSTEOARTRITE DE MÃOS

A osteoartrite de mãos é mais comum nas mulheres e pode levar ao alargamento dos dedos bem como perda de funcionalidade. Há forte componente hereditário.

Quando há acometimento nas interfalangianas distais, denominamos nódulos de Heberden e se de interfalangianas proximais, nódulos de Bouchard. Quando o processo ocorre na região trapézio-metacarpal, chamamos de rizartrose.

É possível que a osteoartrite de mãos apresente um maior grau de inflamação, aparecendo de forma aguda, dolorosa e simétrica (osteoatrite erosiva).

OUTROS SÍTIOS

A osteoartrite também pode acometer diversas outras articulações do corpo humano, como os ombros, pés, tornozelos, esqueleto axial, articulação têmporo-mandibular e cotovelos. Para mais informações, entre em contato pelo nosso email.

CAUSAS

Existem alguns fatores de risco relacionados ao desenvolvimento da osteoartrite, sendo os mais comuns: idade, sexo, predisposição genética, obesidade, estresse mecânico, trauma articular, doenças congênitas ou no desenvolvimento do osso e articulação, afecção articular inflamatória prévia, doenças endócrino-metabólicas.

CID: M 19; M19.1; M19.2; M19.8; M19.9

DIAGNÓSTICO

A consulta com um reumatologista, associado à realização de radiografias convencionais, são o método mais simples e adequado para diagnosticar a osteoartrite, bem como para determinar sua extensão e gravidade, monitorar sua progressão e determinar os candidatos ao tratamento cirúrgico.

É importante ressaltar que nem sempre existe correlação entre os achados da imagem e as manifestações clínicas. Muitos pacientes podem apresentar dor importante mas poucas alterações radiográficas.

A contribuição laboratorial é pequena, sendo útil basicamente para a busca por diagnósticos diferenciais

O líquido sinovial, obtido após punção articular, é caracteristicamente não inflamatório, com viscosidade reduzida.

TRATAMENTO

O tratamento da osteoartrite deve ser individualizado. Seus objetivos básicos são: educação do paciente, alívio dos sintomas, recuperação funcional, retardo ou bloqueio da evolução da doença e regeneração dos tecidos lesados. É importante fazer o reconhecimento dos fatores desencadeantes e agravantes presentes em cada caso, bem como a identificação das estruturas e articulações comprometidas.

O paciente deve ser orientado sobre sua doença. Um programa individualizado e equilibrado de exercícios físicos deve ser montado para prevenção e manutenção da integridade articular. O repouso pode ser necessário em períodos de piora, mas não deve ser absoluto. Perda de peso e dieta equilibrada devem ser estimulados. A proteção articular pode ser feita através do uso de órteses (bengalas, palmilhas, calçados adequados).

O tratamento farmacológico baseia-se no uso de analgésicos, antiinflamatórios tópicos e orais e medicações intra-articulares, sempre devendo ser prescritas após avaliação médica especializada e levando em consideração cada caso. Uma vez que o tratamento conservador se mostra ineficaz, a programação cirúrgica pode ser considerada.

TEM CURA?

A osteoartrite é uma doença crônica, ou seja, não tem cura. Entretanto, é importante salientar que sua evolução é lenta e sua atividade pode ser controlada através do acompanhamento regular com o especialista.