Pseudogota

Gota – O que é, Sintomas, Tratamentos, CID

O QUE É?

A gota é uma artropatia inflamatória desencadeada pela cristalização de urato monossódico nas articulações e nos tecidos periarticulares. Ela acontece pela elevação crônica do ácido úrico no plasma, além do seu ponto de saturação. É uma doença comum, mais prevalente no sexo masculino, e que vem aumentando sua incidência a cada ano.

 

FATORES DE RISCO

A hiperuricemia é o principal fator de risco. A gota é mais prevalente homens e aumenta o risco com o envelhecimento. Também existem fatores genéticos associados ao desenvolvimento da doença, com história familiar positiva em até 40% dos casos. Questões relacionadas à dieta, como ingestão de álcool, carne vermelha, frutos do mar, bebidas açucaradas e ricas em frutose são fatores de risco. Alguns medicamentos também podem contribuir, como diuréticos tiazídicos e de alça, etambutol, pirazinamida e os inibidores de calcineurina.

 

SINTOMAS

Antes de desenvolver a gota, muitos pacientes ficam décadas com a dosagem de ácido úrico acima do valor da normalidade. Chamamos esse estado ge hiperuricemia assintomática. Geralmente, não é indicado o tratamento medicamentoso. Deve-se orientar mudanças no estilo de vida e melhora dos hábitos alimentares.

 

A gota é composta por, basicamente, 3 fases:

  • Crise aguda de gota: O pico ocorre em homens entre 40 e 60 anos. A primeira crie geralmente tem início agudo, com uma monoartrite na 1ª metatarso falangeana (podagra), ou outra articulação dos membros inferiores. A dor é intensa, pior durante a madrugada e o paciente apresenta restrição de movimentos e hipersensibilidade ao toque. Ao exame clínico, é percebido edema, calor, rubor, pele brilhante e tensa.
  • Período intercrítico: É um período “livre” de crises, separando os episódios de gota aguda. Com o passar dos anos, esse período torna-se cada vez mais curto, com ataques mais recorrentes, intensos e prolongados.
  • Gota tofácea crônica: Dor persistente menos intensa, intercalada com períodos de agudização cada vez mais frequentes. Pode haver sinovite crônica, doença poliarticular, deformidades e incapacidade. Ocorre a formação de TOFOS, que são coleções organizadas de cristais de monourato de sódio e são patognomônicos para gota.

 

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico da gota é dado através da história clínica, alterações ao exame físico e laboratoriais e, sempre que possível, com a análise do líquido sinovial.

Geralmente há hiperuricemia, elevação de provas inflamatórias e leucocitose. O líquido sinovial é tipicamente inflamatório, com viscosidade reduzida, predomínio de polimorfonucleares e com a presença de cristais de monourato de sódio com BIRREFRINGÊNCIA NEGATIVA FORTE.

Exames de imagem como radiografia convencional, ultrassonagrafia com doppler e tomografia também podem auxiliar no diagnóstico.

 

TRATAMENTO

Quando indicado, o tratamento deve englobar a educação do paciente, mudanças de hábitos de vida, adequação da dieta e uso de medicamentos.

Para melhora das crises aguda, antiinflamatórios, colchicina e corticoides são boas opções, a depender do paciente. Para redução dos níveis de ácido úrico, a medicação mais amplamente utilizada é o Alopurinol. Para maiores detalhes, consulte seu reumatologista ou nos envie um email.

 

TEM CURA?

A gota é uma doença crônica, que não tem cura. Entretanto, é possível ficar livre de novas crises de artrite aguda fazendo uso das medicações corretas e mantendo hábitos de vida e dieta saudáveis.

CID: M 10.9

Livro da Sociedade Brasileira de Reumatologia. José Tupinambá Sousa Vasconcelos. 2019

Reumatologia: Diagnóstico e Tratamento. Marco Antonio P. Carvalho. 5ª edição 2019

Reumatologia. Marc C. Hochberg. 6ª edição

Nossos Artigos

 

    Not Tags